Weather Forecast: Strong North Wind Approaching

Debbie Burke , Jazz Author

With an octopus-like grasp into the performing arts world, Bianca Rossini has done so much already: acting in films and TV dramas, and hosting her own TV talk show; writing, composing and performing music heavily influenced by her Brazilian roots; publishing a romance novel and poetry books; dancing. The creative flow is unstoppable and her energy is infectious. In July, she released the new CD “Vento do Norte” and this north wind is about to bring the jazz world much more hot music.

What’s your primary love: acting, poetry, or music?

I love expressing my creativity, I could not live without it. I feel I’m a conduit; it’s something natural, intuitive and often beyond my control. As a singer/songwriter I’m able to incorporate all the different facets of my artistic life including writing, performing, songwriting, poetry, dancing, choreographing and acting.

Why did you come to LA?

I moved to LA some years ago to pursue my career as an actress and realize my dream of becoming a professional singer/songwriter.

Explain the title of the CD?

It means “Wind of the North” and is a song I wrote with Peter Roberts. The album celebrates the joy of love and romance, and the chance to dance and dream.

What inspired “Vento do Norte”?

It has a pop influence. It makes me want to dance. The song “Ipanema Paraiso” features tenor Jimmy Roberts. Jon Gilutin’s arrangement of “Tic Tac,” is a classic. “Doce Amor,” co-written with Patrick Lockwood, features Mark Nilan on piano. It feels timeless. “Meu Sonho” is a bit erotic, one of more than a dozen songs I co-wrote with my other fabulous songwriting partner Marilyn Berglas. “Que Cor,” a poem from my book Love in Black and White (with art by Michael Kenna), is intimate, with just a grand piano played by my co-writer Steven Rawlins.

I’m fortunate to have an extraordinary producer and very talented/accomplished music partners. Peter Roberts produced my first album “Kiss of Brasil” and we’ve been working together ever since. My co-writers in this album include Peter Roberts, Grammy-winning songwriter Jon Gilutin, Patrick Lockwood, Steve Rawlins, Marilyn Berglas and Harvey Mason.

It’s hard for me to pick one song over another; I love them all. All my co-writers are accomplished performers themselves, and are featured in the rhythm section, including Mark Nilan on keyboards, and Roberto Montero and Mitchell Long on guitar.

How did you become interested in jazz?

I grew up listening to bossa nova and all kinds of Brazilian music, and music from all over the world. Some of my early influences were Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes, João Gilberto, Pinxinguinha, Tom Jobim, Maysa and Elis Regina. I love Louis Armstrong, Nat King Cole, Ray Charles, Burt Bacharach, Simon & Garfunkel, Édith Piaf, Carly Simon and Dionne Warwick. Later on, I fell in love with Coltrane, Cole Porter, Dinah Washington and Sarah Vaughan.

I grew up dreaming of being in musicals. I saw musicals as the perfect outlet to perform as an actress, singer and dancer. I was in love with all the classic musicals including American in Paris, Singin’ in the Rain, Shall We Dance, West Side Story, The Sound of Music and more.

My mother’s musical taste introduced me to music from every part of the globe: from Trio Los Panchos to Ray Charles, to Arabic, Italian, French, Spanish, Cuban and Mexican music.

I also love opera. I feel very fortunate that we have The LA Opera in our backyard. Their productions are some of the best I’ve seen of Madame Butterfly, Carmen, Tosca and La Bohème. The Recovered Voices Project and II Postino were also extraordinary and unforgettable. There is one opera called La Sonnambula I saw at Convent Garden [in London] that is on my top list as well. I love Luciano Pavarotti, Plácido Domingo, José Carreras, Victoria de Los Angeles, Maria Callas and Jessye Norman.

As an actress, I’ve worked in films and TV shows with some of my idols. I was thrilled to co-starr with Dick Van Dyke on “Diagnosis Murder.” He was as humble as he was talented.

I used to write an arts column covering the performing arts scene in LA. I got to see up close many of the artists whose music I admire and who inspire me. They include Pat Metheny, Quincy Jones, George Benson, John Pizzarelli, Herbie Hancock, Bobby McFerrin, Branford Marsalis, Césaria Évora, Gilberto Gil, Jimmy Webb and more.

What prompted this quote by Jimmy Webb: “Bianca, you will be forever in the book of my luminaries”?

I met Jimmy Webb at the ASCAP Pop Music Awards. When he found out that I was a Brazilian singer/songwriter he said he might be doing a project that could include Brazilian lyrics. I didn’t have my first CD out yet, but he asked me to send him my poetry book A Brazilian Heart.

One day he called me and said he gave my book to a famous singer he was producing for. She loved the poems! In fact, he said she was reading them aloud to him at her country home. He invited me to write lyrics in Portuguese and also compose for him. I went into my producer’s studio, recorded several new compositions, and sent them to him right away. When we spoke on the phone he said he was stunned at how fast and versatile I was and that he loved my work. This was Jimmy Webb, a genius songwriter I grew up listening to. I was moved.

Which do you write first, lyrics or melody?

They often come simultaneously. Most of the time words are music to my ears; it immediately evokes a sound. If a word inspires me, I sing it, and a melody just follows.

Any relation to the Rossini opera family?

The only relationship is our love of music.

Grammy nominations or awards?

Not yet. I hope “Vento do Norte” will win a Grammy.

Talk about your training and early musical performances.

I’ve loved performing since I was 3. Early on I started taking dance classes, music lessons and did acting and storytelling through puppetry. Every night I used to put my little brother to sleep by telling him stories. I would ask him what he liked to hear and he would choose a main character. I would create the story and improvise songs on the spot.

Later on, I would compose melodies whenever inspiration struck me. I was always looking for a writing partner, someone who could play out my music. Anytime I was with a musician who could improvise, I would make up songs.

I started recording myself, which was the best thing for my career as a songwriter. I also did some shows in the late ’90s in LA. At the time, I was too busy with my acting work, and even though there were some good moments, my music career never really blossomed.

Then I met music journalist Don Heckman, who after hearing a composition that I had created spontaneously, said, “Bianca, you’ve got to work with the best musicians and co-write with the best composers.” Even though I was always writing, I wrote like a poet and my songs lacked structure; the words and melodies went on forever. Don offered to become my mentor and in three days I was writing songs with proper structure.

I couldn’t stop. I wrote something like five a day, and began working with other composers around the world. Sometimes because of the time difference I would be rolling out of bed at 4 in the morning to finish a song or listen to a track that my co-writer would send for review and I couldn’t wait, I couldn’t stop writing. It was extraordinary and exhilarating. All my life, I had been waiting for that moment, and a year later I was launching my first album, “Kiss of Brasil.”

What did you enjoy most about your TV talk show?

The Bianca Rossini Show aired [in the Los Angeles market] for ten years, until 2007. I always loved learning about people, their struggle, joy and success. People in general feel comfortable with me. Without asking, they share their intimate stories and journey.

How do you set the mood to compose and arrange?

I usually don’t set anything up. Walking on the beach is a sure way to inspire new melodies and lyrics. It’s instant. I would say the ocean is a very powerful source of inspiration for me.

But inspiration is everywhere: a word, someone’s energy, art, life. My creativity is intuitive, in the moment, and it’s a connection that bypasses my head and goes straight for the heart.

The words come bathed in sounds and like a string of pearls it keeps on going until the necklace is completed. I don’t dictate anything. It tells me where it wants to go, what story to tell and when it’s completed.

What themes inspire you?

Love, which can be interpreted with another or with oneself; death, life, nature, romance and hope.

Are you in love now and how does that inform your music?

I’m madly in love with my husband and with life. I get bursts of inspiration often. It’s a delicious and nurturing experience, and that’s why writing poetry and songs is an immediate creative outlet for me. It often requires nothing more than a pen and paper, or just the iPhone.

What is in the heart and soul of Brazilian music that sets it apart from American jazz?

I was speaking with music critic Steve Hochman, and his take was that what sets Brazilian music apart is that it didn’t develop from American blues, but rather from combinations of Portuguese (and other European traditions) and indigenous culture and music, and African rhythms and influences.

The sounds of the language are very much a part of the music there. I think Brazilian music is freer, as Steve mentions, in that it plays with different sounds from all different aspects of Brazilian culture. It mixes it all up.

Is it a good time for the music industry — especially for jazz artists?

In the past, you could not have much of an audience without a powerful record label behind you. If you were lucky and got signed, then yes, you’d have made more money with royalties, but how many could land a major record label contract or afford to produce a complete album? Very few.

Today we independent artists are connecting with the world’s audience through our music. There are no more boundaries. The access is limitless. You don’t have to wait for a label to produce your album or for someone to publicize your work. You can create your own podcast, blog, YouTube channel, or whatever you want.

Some of my songs have been streamed a million times on Spotify. My albums are playing non-stop on Pandora radio as well. We still have great music writers, journalists, critics and reviewers like yourself who are dedicated and passionate about music and sharing with their audiences the new artists and reminding us of the great classic sounds.

We artists need to get paid for what we do, and all these outlets that play our music need to pay more fairly. We need to continue to advocate for fair pay for fair play.

What’s the newest overall trend in jazz music?

There’s so much amazing talent coming out of every place around the globe. The internet, social media, YouTube, etc. are making music more accessible than ever.

I think it’s inevitable we’ll hear more influence of different cultures in one song than ever before. Even though there have been musicians like Miles Davis, Pat Metheny, John Scofield, and artists’ collaborations like Wayne Shorter with Milton Nascimento, Herbie Hancock and Airto Moreira have introduced plenty of Brazilian elements to their sound.

I wondered why mainstream jazz musicians weren’t incorporating samba, bossa or Arabic sounds into their repertoire. But that is no longer true; it just keeps on expanding, with the sounds of Robert Glasper, Kamasi Washington, Billy Childs and Otmaro Ruiz.

The fusion of sounds is ongoing, celebrated and becoming more and more part of the fabric of jazz.

Future plans?

To continue to collaborate with great musicians and compose, perform and record more albums. I want to have my songs sung by other singers.

It was a thrill to listen to my song “Estrela Azul,” co-written with my partner Sergio Santos, performed by the beautiful voice of Catina deLuna in her debut album “Lado B Brazilian Project.”

I have written an extraordinary number of songs and I would like to continue to work with my music partners as well collaborate with new ones. I want to expand my sound while reaching every corner of the globe with my music.

Other comments?

I would like to thank you, Debbie, for connecting me with your audience, and to give special thanks to my producer and music partners. I hope each member of your audience will give “Vento do Norte” a listen and that it will become their new favorite!

For more information visit


Rising Star: Bianca Rossini Provides Very Soulful

Brazilian Jazz Legends and Rising Stars

She may call Beverly Hills, California her home but she has not strayed very far from her Brazilian roots.

Her Internationally acclaimed Bossa Nova debut aLBum is number one on Pandora Bossa Nova Channels, “Kiss of Brasil” has been featured in over 80 jazz stations in the US and more than 15 stations in Europe. “Kiss of Brasil” also has been featured as ALBum of the week, in major radio stations in the US and Europe.

“It’s extraordinary, that not only is ‘Kiss of Brasil’ Bianca’s debut aLBum, but she is singing in Portuguese and making a huge impact in the predominantly English-speaking U.S. market – generally unheard of for a foreign language aLBum,” said Jason Gorov, President of Gorov Music Marketing (who has overseen the works of popular artists such as Sade, Dave Koz, Beyonce). The popularity of Bianca’s “Kiss of Brasil” is not surprising since Bianca’s vocals and melodies are highly addictive and she takes listeners on such a beautiful journey.

Bianca Rossini is not only an excellent songwriter and singer, but she also has written three books and her work has been featured on some popular American TV shows.

I recently got the chance to do an email interview with Bianca, and although she barely has time to enjoy any hobbies outside of her singing career–she did share with me some very interesting things about her aLBum and what her new aLBum will look like come early 2013:

What was the earliest age you recall playing an instrument?

“4 years old playing piano.”

Who were your earliest and current jazz influences?

“(My) earliest music influences were Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes, Maysa and Louis Armstrong, Burt Bacharach, Hal David.

current … Etta James, Amy Winehouse, film composer Gabriel Yared.”

Which of the songs on your debut aLBum did you enjoy singing the best, and is there any message conveyed in your songs that your fans want to know?

“I enjoy all of them, after all I wrote them!! In my first aLBum “Kiss of Brasil” I celebrated my love for Brasil, (e)specially my birth city (of) Rio de Janeiro, the lighting, the beaches, the intimacy that it inspires and that is loved by so many world wide. “Meu Amor” features “Faxineira” which is a baiao style song that I wrote celebrating the Brazilian Faxineira (Cleaning woman). In “Kiss of Brasil” I worked with several songwriting partners, and with”Meu Amor” I partnered only with Dana Kaproff.

Any plans to tour outside of South America in your future?

“It would be fantastic!”

Your favorite Christmas memory, whether it be receiving a favorite present–being around family, friends, etc.?

“Last year I spent Christmas with my brother and his family in Rio and I loved it.”

What can fans expect from your second aLBum compared to the first?

“If you loved “Kiss of Brasil” you are going to love “Meu Amor.”


Brasileira ‘Bianca Rossini’ Estoura nas Paradas de Jazz Americanas com seu Bossa Nova Álbum "Kiss Of Brasil"

Aumenta o Som by Elias Nogueira

Cantora e compositora carioca, Bianca Rossini radicada em Los Angeles está cativando os corações e mentes da América do Norte. Mais de 60 estações de Jazz dos EUA estão tocando diariamente seu primeiro áLBum "Kiss of Brasil". Em "Kiss of Brasil" Bianca celebra suas raízes e inspiração brasileira e é comparada aos mestres da Bossa Nova.

Nessa entrevista você terá chance de conhecer os trabalhos e o extraordinário talento de Bianca, seu sucesso em Hollywood como compositora, cantora, atriz, poeta, autora e mais, onde ela exibe sua versatilidade, dedicação e sucesso. Seu áLBum "Kiss of Brasil" vem com distribuição no Brasil através da Onerpm que abrange as principais lojas digitais no Brasil (Sonora, UOL Megastore, Terra, Pleimo, iMusica) e empresas de telefonia celular do Brasil e da América do Sul (Claro e América Movil). Aclamado pela crítica internacional Kiss of Brasil também está disponível no iTunes, Amazon e CDBaby, e é distribuído no Japão pela Octect Records.

Conheci Bianca por causa de um amigo, Jefferson Gonçalves (gaitista conceituado). Ele me apresentou o áLBum da cantora e pediu pra escutar e depois comentar a respeito. Gostei tanto que pautei uma entrevista para conhecer melhor a artista. Com vocês a “Multifacetada” carioca Bianca Rossini que vem representando o Brasil no exterior com seu talento, beleza e charme!

"Kiss of Brasil" é seu primeiro disco. Quanto tempo levou até ficar pronto?

Bianca Rossini: 1 ano.

Você esperava que "Kiss of Brazil" tivesse esse sucesso incrível nas rádios de jazz norte-americanas?

Bianca Rossini: Todos que ouviam achavam que todas as faixas se tornariam sucesso. Eu sinceramente não tinha dúvida, apesar de que inicialmente meu amigo, parceiro e crítico Don Heckman me aconselhou a fazer o áLBum em inglês, pois teria uma chance maior de ser tocado nas rádios de jazz norte-americanas. Mas todos os meus parceiros queriam colaborar exclusivamente em português. Inclui uma faixa em inglês, mas o que acontece é que as rádios de Jazz que ouvem “Kiss of Brasil” preferem tocar, com mais freqüência, as músicas em português!

Não sabia como era difícil um novo áLBum ser considerado para as rádios de smooth jazz. Por exemplo: todas as editoras de cantores e músicos famosos têm um promoter de rádio para promover cada faixa por seis meses. Isso dá uma ideia de quanto é difícil entrar no playlist das melhores rádios de jazz, a competição é grande e são raras as vezes que eles tocam música em outro idioma além do inglês.

No caso do “Kiss of Brazil” está sendo sui generis - Jason Gorov Presidente da Gorov Música Marketing (Sade, Dave Koz, Beyonce), uma empresa líder de promoção de Smooth Jazz com sede em Las Vegas, NV., disse que em 20 anos de trabalho ele nunca viu um áLBum em língua estrangeira, nesse caso em português, ser escolhido e tocado com tanta frequência. As rádios estão amando o "Kiss of Brasil" e várias rádios estão tocando todas as faixas. "Kiss of Brasil" está em destaque em estações de rádios por toda América como: WUMR Memphis 'U92 FM, KQXT / San Antonio, TX e KJZY/Santa Rosa, CA, onde todas as faixas do "Kiss of Brasil" estão sendo tocadas e foi escolhido como Melhor ÁLBum de Jazz da Semana. Outras estações americanas fizeram especiais de "Kiss of Brasil" como KBCS 91.3FM, Bellevue, WA, como também mais de 10 estações de rádios internacionais, incluindo ES RTVE Radio3/Madrid, Espanha,, na Áustria, BestSmoothJazz/Londres, Inglaterra.

Como você se sentiu ao ouvir "Kiss of Brasil" tocar na rádio pela primeira vez?

Bianca Rossini: Foi maravilhoso! Eu ouço a maioria das rádios dos EUA e do mundo no meu iphone. O que mais me emociona é ouvir “Kiss of Brazil” no mesmo line up que os grandes nomes de jazz e da música brasileira como João GiLBerto, Tom Jobim, Sérgio Mendes, Eliane Elias, Pat Metheny, Coltrane, Chris Botti, Diane Krall, entre outros. Me sinto honrada e feliz!

"Kiss of Brazil" foi escolhido para ser incluído no Pandora Rádio que inclui 80 milhões de ouvintes. É difícil um artista ou áLBum ser incluído no Pandora Rádio?

Bianca Rossini: Sim, Pandora avisa ao artista que provavelmente o áLBum submetido não terá chance de ser escolhido. Hoje é o mundo inteiro competindo pelo espaço. Quando eu recebi o e-mail dizendo que “Kiss of Brazil” tinha sido selecionado dei pulos de alegria. Senti como se tivéssemos sendo premiados com um Grammy! Lágrimas deslizaram dos meus olhos, ao ver a capa do "Kiss of Brasil" entre os discos de dois dos nossos grandes poetas e compositores, Chico Buarque e Milton Nascimento. Foi um momento inesquecível. "Kiss of Brasil" está em alta rotação no Pandora Rádio, onde praticamente a cada instante você ouve "Kiss of Brasil" nos top channels de bossa nova como Tom Jobim, Bebel GiLBerto, Nara Leão, e The Bianca Rossini Channel.

Fale-me da seleção de repertório para "Kiss of Brasil". Como foi elaborado?

Bianca Rossini: Foi muito natural e intuitivo. A inspiração era Brasil, celebrando particularmente o amor emoldurado pela cidade onde nasci, o Rio de Janeiro. Mas sinceramente eu não programei com antecedência o que iria compor. É o caso da maioria das músicas que escrevo - raramente sei o que vou compor, nem mesmo a primeira palavra ou nota, até eu começar a escrever no papel ou cantar. Foi uma experiência fabulosa, pois eu coescrevi com cinco compositores diferentes e as composições todas fluem como se fosse de uma só fonte.

Como foi que você se descobriu cantora? Estudou música?

Bianca Rossini: Tinha quatro anos quando meu amor por cantar começou, já estudava dança, teatro, piano. Aprendi a ler música, inclusive toquei piano em recitais da escola, em teatro. Infelizmente mais tarde esqueci tudo referente à parte técnica da música, talvez porque eu parei de praticar o piano. Estudei canto com diferentes professores no decorrer dos anos.

Você faz música e letra. Como começou esse processo?

Bianca Rossini: Escrever e compor melodias para mim é natural. Não só porque muito me inspira, sempre fiz isso com muita facilidade. Antigamente eu improvisava o tempo todo, compunha no ato, mas não gravava a melodia ou escrevia a letra, mas isso mudou depois que Don Heckman foi meu mentor, e passei a colaborar com os meus parceiros. Hoje tenho centenas de músicas e me sinto apta e livre a escrever com ou sem a estrutura convencional.

Quanto tempo geralmente leva para você escrever uma canção?

Bianca Rossini: Meia hora em média.

Você escreveu música para shows de TV Americana?

Bianca Rossini: No seriado Chicago Hope (CBS), no qual eu era guest star, o diretor me pediu para encontrar uma canção de ninar em italiano. Depois de um dia de pesquisa, todas que ouvi eram deprimentes. Já era meia-noite, eu já estava na cama prestes a dormir, quando resolvi eu mesma compor a música. No dia seguinte antes do ensaio geral o produtor apresentou a minha composição para o David Kelly; ele aprovou e na mesma manhã o cast todo recebeu cópia da canção e gravamos o episódio no estúdio da Fox. Outro TV show foi “The Sentinel” (UPN) onde tive atuação principal, coreografei, compus e cantei; foi gravado em Vancouver, no Canadá.

Fale-me de algumas de suas parcerias musicais brasileiras?

Bianca Rossini: Com o Sérgio Santos temos um áLBum completo, pronto para ser gravado. Fizemos contato através do myspace e através de e-mail e Skype; compusemos 13 canções em menos de dez dias. Foi tão excitante que eu praticamente não dormia, com o fuso horário diferente, eu em LA e Sérgio em Belo Horizonte, às vezes eu rolava da cama ainda embriagada de sono em direção ao escritório às quatro da madrugada para ouvir o que o Sergio tinha me enviado. Eu enviava a música ou letra para ele de manhã e no dia seguinte ou às vezes no mesmo dia ele me enviava de volta a melodia ou a harmonia pronta. Sérgio é um extraordinário músico, compositor, cantor, e uma doçura para trabalhar em parceria.

Claudio Nucci me enviou um som de baião, eu fiquei tão animada que compus enquanto dirigia para uma entrevista para um comercial de TV. Lembro de estar dirigindo na Olympic Blvd, aqui em LA, escrevendo a letra no papel em cima do painel do carro, e gravando a melodia no ipod.

Durante um jantar em LA com meu amigo Jaques Morelembaum compusemos um samba-bossa no papel da mesa enquanto esperávamos o jantar ser servido. Guardei o papel de recordação com a notação musical escrita pelo Jaques.

Foi um grande prazer também a minha parceria com André Mehmari. Fizemos contato por e-mail, enviei para ele uma das minhas letras. Logo em seguida recebi a música pronta: ele mesmo cantando ao piano com o seu arranjo musical. Ficou lindo, gostaria de lançar uma versão assim mesmo, com a voz dele.

De onde vem inspiração para compor?

Bianca Rossini: A vida me inspira. As minhas letras e melodias muitas vezes vêm juntas. Toda vez que eu ponho pé na praia é algo sintomático. Eu começo a compor sem parar, principalmente melodia… mas tanto me inspira… nossa terra, amor, relacionamentos, palavras, arquitetura, atmosfera, alegria, tristeza, nostalgia, simplicidade, frutas, flores, olhar, mar, luz, natureza, rios, montanhas, cheiros, momentos, a energia de certas pessoas…

Você diria que suas composições são geradas diretamente da suas emoções, do seu coração?

Bianca Rossini: Absolutamente. É algo divino, misterioso, que não sei de onde surge, pois é como um presente que vem como uma fonte jorrando. Quando eu escrevo vejo e sinto como se fosse um filme, história e imagens, tudo ao mesmo tempo. E às vezes escrevo sobre o subconsciente de uma outra pessoa…

Como assim?

Bianca Rossini: Acontece com muita frequência comigo, não somente na música, como meu livro de poesia que escrevi com arte de Michael Kenna “Love in Black and White ” (Nazraeli Press, 2009). Eu vejo e sinto exatamente o que o outro está sentindo.

E a produção do “Kiss of Brazil”?

Bianca Rossini: Eu tive muita sorte que todos os meus parceiros musicais Peter Roberts, Marilyn Berglas, Ken Hirsh, Steve Rawlins, não só são excelentes músicos, compositores, pianistas, com exceção do Patrick Lockwood que toca violão, mas também todos uma maravilha para trabalhar junto. Foi excitante e prazeroso, pois a criatividade fluía constantemente. O meu produtor Peter Roberts teve a visão sobre o tom do áLBum desde do início: Sensual e delicado. Devo a ele o fato de que ele manteve o estilo não só me dirigindo na voz, como também na produção e arranjo musical. Todos os compositores participaram na coprodução das suas músicas junto com o Peter. Quatro dos músicos que eu convidei são brasileiros radicados aqui em LA: Grecco Buratto, Roberto Montero, Marco Túlio e Sandro Feliciano. Outros convidados especiais foram Jimmy Roberts e Greg Geisman. Finalizei a mixagem com o Peter, fiz a produção executiva, incluindo o design do CD package e pós-produção. O liner notes foi escrito pelo querido Danilo Caymmi, notas do meu parceiro e amigo Sérgio Santos, e da nossa estrela do jazz, minha amiga Flora Purim. Fotografia de Phil Fewsmith e masterização de Ron Boustead. A produção do “Kiss of Brazil” incluiu uma média de quase 40 profissionais e amigos que colaboraram e apoiaram o processo. Sou muito grata.

Bossa nova, jazz comente, por favor, sua preferência pelos estilos musicais

Bianca Rossini: Graças a minha mãe cresci ouvindo e adorando todos estilos de música, bossa nova, bolero, clássicos, samba, chorinho, baião, xaxado e música europeia, americana, árabe, etc.! Mas não é ao acaso que o meu primeiro áLBum é de bossa-nova. Minhas primeiras influências musicais foram Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes e Maysa. Gosto também de jazz, várias das minhas composições, em inglês, comparam meu estilo com Cole Porter and Gershwin. Adoro samba, chorinho, baião. Tenho uma composição (baião) com Cláudio Nucci, acabei de escrever uma canção (baião) especialmente para destacar o gaitista Jefferson Gonçalves. Tenho outras composições no estilo que com certeza serão parte de um futuro áLBum.

Ouvi dizer que GiLBerto Gil adorou uma composição sua e se ofereceu a coescrever com você. Como e quando aconteceu isso?

Bianca Rossini: Quando o Gil estava se apresentando aqui em LA, no Royce Hall, no ano passado, o Jaques Morelembaum me convidou para o show. Depois do show, no camarim, bate-papo vai e vem, após me despedir de Quincy Jones e do Gil, eu já estava quase saindo, quando cheguei na porta, algo assim intuitivo me fez voltar, me virei para o Gil e perguntei bem baixinho: “Gil eu escrevi uma canção em homenagem a minha mãe que nasceu no Ceará, tem a ver com o Nordeste eu acho que você vai gostar. Você gostaria de ouvir?”. “Sim, gostaria”, ele respondeu. Daí eu sussurrando quase que no ouvido dele comecei a cantar a canção, esperando que a qualquer momento ele fosse dizer, “ok, obrigada, boa noite”. Muito pelo contrário, os olhos dele não piscavam, atentos, como se ele estivesse numa audiência com o presidente, daí eu cantei a música inteira. No final, ele disse: “Bianca, a música já está pronta?” “Não” eu respondi. “Eu gostaria de fazer com você”, ele afirmou! Do lado de fora do teatro a chuva caía leve. Eu me senti tão feliz, e entendi quando pressenti antes de ir ao teatro que seria uma noite inesquecível.

Brasileira, que foi morar nos EUA Como aconteceu?

Bianca Rossini: Eu queria estudar em uma universidade onde eu pudesse fazer dança, canto, teatro, tudo debaixo do mesmo teto, e no Brasil não existia universidade como as universidades norte-americanas que oferecem esse tipo de programa. Cursei a University of Maryland and Georgetown University para dança e teatro. E também frequentei estúdios de ballet, dança moderna e teatro.

Vejo que você coloca o Rio de Janeiro em suas letras o que a cidade representa pra você?

Bianca Rossini: Rio de Janeiro é onde eu nasci. Para mim o Rio é a cidade mais linda do mundo. Lugar nenhum se compara. Portofino, Nice, sul da França, nada é tão mágico como o nosso querido Rio. A luz do Rio eu nunca vi algo tão penetrante, tão azul, é uma luz abençoada, perfeita, como um perfume que entorpece, inspirando tardes lânguidas com cheiro de sal atlântico, ora terno, ora eufórico, mas sempre um eterno companheiro.

Gostaria que você comentasse, faixa a faixa do repertório do “Kiss of Brazil”

“Ipanema Paraíso” Letra: Bianca Rossini, Música: Peter Roberts

Bianca Rossini: Peter Roberts me enviou e-mail perguntando se gostaria de escrever uma letra em português para a música que ele iria submeter para um filme. Assim que ouvi, adorei. Peter sugeriu uma canção sobre Ipanema, as imagens imediatamente dançaram na minha mente. Pela manhã escrevi a letra em português e saí para uma reunião; quando voltei Peter sugeriu que eu escrevesse uma versão em inglês; fiz, e à noite gravamos as duas versões. No dia seguinte tudo estava pronto e mixado. O Peter trabalha intensamente e rápido. Eu adoro as músicas e arranjos do Peter, o nosso estilo se complementa mutuamente, trabalhamos muito bem juntos. Quando eu ouvi não tinha dúvida de que o Peter seria o produtor perfeito para “Kiss of Brazil”.

"O Tempo vai Contar" Letra: Bianca Rossini, Música: Marilyn Berglas

Bianca Rossini: Foi a minha primeira composição com Marilyn Berglas. Marilyn me contatou no facebook, no mesmo dia nos encontramos na casa dela, aqui em L.A. Quando ela começou a tocar uma de suas composições no piano, eu a interrompi no primeiro verso e pedi papel e lápis, ela perguntou “você não quer escutar primeiro a música inteira?”. “Não é necessário” respondi. Meia hora depois a letra estava pronta. Quando a música me inspira eu sinto logo nas primeiras notas.

"Nós Dois" Letra: Bianca Rossini, Música: Marilyn Berglas

Bianca Rossini: Como sempre toda vez que eu me encontrava com Marilyn, ela ou eu tínhamos música nova. Assim que eu entrava na casa dela e às vezes até mesmo antes de colocar a bolsa no sofá, Marilyn já estava no piano: “Bianca, eu quero te mostrar o que eu acabei de compor…” e claro eu não tinha escolha, a inspiração era imediata e em pé mesmo, muitas vezes debruçada no piano eu escrevi nossas músicas. As melodias que Marilyn fez durante a nossa parceria para o áLBum são absolutamente encantadoras, e quando ela toca no piano, irresistíveis. A nossa colaboração foi intensa, muita energia, constante criatividade e produção; estávamos sempre excitadas com novas composições. Eu e Marilyn já temos um áLBum escrito pronto para ser gravado que compusemos no decorrer do nosso trabalho, durante "Kiss of Brazil".

"Tarde em Copacabana" Letra: Bianca Rossini, Música: Patrick Lockwood

Bianca Rossini: Patrick Lockwood me contatou através do myspace. Era verão quando ele me enviou sua melodia por e-mail. Eu estava para entrar na piscina e me lembro que quando eu ouvi a música não consegui deixar o laptop, levei até o jardim e lá mesmo em pé, sobre o balcão do bar, escrevi a letra. Eu não tinha a menor ideia sobre o que iria escrever, mas no momento que comecei eu só via Copacabana e sabia que ela seria a protagonista!

"Verdadeiro Amor" Letra: Bianca Rossini, Música: Bianca Rossini & Marilyn Berglas

Bianca Rossini: Lembro bem dessa manhã, ainda deitada na minha cama. Eram 7h15 da manhã, a inspiração veio e acordei cantando uma nova canção, peguei o meu ipod gravei para não esquecer, esperei o relógio bater 8h30 ou talvez nem isso, liguei para Marilyn “Querida, por favor, vai até o piano” “Ok, estou indo.” Ela já estava acostumada comigo ligando excitada com música nova. “Escuta esse novo samba, não está terminado, tem um verso que se você quiser pode modificar a melodia, vou me arrumar, chego aí em 15 minutos”. Era uma manhã linda, um sol radiante; inicialmente Marilyn não estava animada porque eu já havia feito a melodia, e normalmente na nossa parceria ela faz a melodia e eu a letra, mas quando nos encontramos ela colaborou e logo finalizamos a música. Para gravação convidei Grecco Burrato para tocar o cavaquinho e o violão, Sandro Feliciano fez a percussão e o resultado ficou sensacional.

"No Silêncio da Noite" Letra: Bianca Rossini, Música: Bianca Rossini & Steve Rawlins

Bianca Rossini: Steve Rawlins também me contatou no facebook. Sem muita conversa, marcamos encontro para o dia seguinte. Steve bateu na porta, eu abri, prazer, prazer, “Onde você gostaria de sentar?”, eu perguntei quando o direcionei para a sala de música. “Onde você quiser”, “Ok, aqui no piano?,” eu respondi abrindo o piano. “Eu tenho duas canções com melodia, mas falta a harmonia”. Cantei a primeira: "No Silêncio da Noite" pela qual ele se apaixonou imediatamente, e em meia hora a harmonia estava pronta; logo a seguir terminamos a segunda música. Foi e é tão maravilhoso trabalhar com o Steve. "No Silêncio da Noite" eu compus na Suíça quando hóspede na casa de um amigo. Do meu quarto eu ouvia o cantar do córrego que sussurrava debaixo da minha janela aberta eu escrevi a letra e gravei a melodia no meu blackberry.

"Circular" Letra: Bianca Rossini, Música: Peter Roberts

Bianca Rossini: Era fim de semana, dia de São João. Eu voltava da praia do Leblon, feliz, relaxada, amando a luz do meu Rio, vestindo biquíni azul com polka dot, sarongue branco, e sandálias havaianas. Enquanto esperava o sinal mudar, o ônibus Circular parou bem na minha frente. Quando eu vi o nome, de imediato a letra e a música surgiram ao mesmo tempo, comecei a cantar, atravessei a rua, sambando de leve enquanto andava, repetindo a letra para não esquecer até chegar ao hotel que estava bem próximo. Logo liguei para o Peter com a nova música, e ele adorou: “Assim que você chegar em L.A. gravamos e incluímos no áLBum!”. No dia seguinte tinha reunião com um executivo da TV Globo. Quando ele ouviu "Circular" exclamou: “Vai grudar que nem chiclete!”.

"Primeiro de Dezembro" Letra em Português: Bianca Rossini, Música: Ken Hirsch, Letra em Inglês: Hal David.

Bianca Rossini: Na verdade essa foi à primeira canção que eu coescrevi para "Kiss of Brazil".Conheci Ken Hirsch no Disney Hall, num show do Burt Bacharach. O auditório estava lotado, somente eu e Ken debruçávamos sobre nossos joelhos para ver o Burt mais de perto. Volta e meia trocava palavras com Kenny que estava sentado do meu lado. No final do concerto conversamos um pouco mais, e foi quando ele me disse que era parceiro do legendário Hal David. Conversamos sobre a possibilidade de uma colaboração. Na semana seguinte ele me visitou, rimos muito juntos, o humor do Ken é muito parecido com o meu, antes de sair ele me entregou um CD com sua composição, "Bianca, ouve e vê se você gostaria de compor a letra em português para essa melodia". Assim que nos despedimos, coloquei o CD no computador e me arrepiei com a música do Kenny que também é exímio pianista. Amei e a inspiração me tomou o corpo e na mesa da sala mesmo, sem querer perder tempo de ir até o escritório pegar papel, eu escrevi no guardanapo a letra da música. Logo a seguir um amigo me apanhou para irmos jantar fora. Eu super excitada e feliz, coloquei o CD com a música do Kenny no carro do meu amigo, e cantei para ele segurando o guardanapo com a letra do "Primeiro de Dezembro". Quando eu terminei meu amigo disse: “Bianca, eu sei que não é muito, mas você me venderia esse guardanapo por 500 dólares com a sua composição? Eu sei que um dia ela vai ser o maior sucesso!”.

"Perfume de Verão" Letra: Bianca Rossini, Música: Patrick Lockwood

Bianca Rossini: Eu escrevi essa letra para uma banda da Suécia que me convidou para escrever para eles. Eu normalmente não gosto de deixar minha letra ou música com ninguém por muito tempo sem saber se vai acontecer ou não. A letra era perfeita para o “Kiss of Brazil”, decidi pegar a letra de volta e enviei para o Patrick, que compôs a música, e que ficou deliciosa, especialmente com o assovio do Paul Montesano.

"Corazón de Oro" Letra: Marilyn Berglas, Música: Marilyn Berglas & Harvey Mason

Bianca Rossini: Eu escrevi a letra em português e gravei no mesmo dia em que gravamos a letra em inglês, (só o título está em Espanhol) escrita por Marilyn Berglas, música em parceria com seu amigo Harvey Mason (Fourplay). Gravei a versão em português pensando que iríamos usá-la no áLBum. Mas quando eu ouvi a minha gravação em inglês, não tive dúvida de que incluiria essa como a única faixa em inglês no disco.

Bianca Rossini é uma artista que não é somente cantora. Como é isso? Faça um comentário sobre seu lado artístico que não seja a música.


Trabalhei como modelo (print, editorial, runway) no Brasil, Milan, Paris, New York. A experiência como modelo foi a base do meu primeiro romance publicado em inglês "Julia - Confessions of a Brazilian Super Model" (iUniverse, Inc., 2001).


Bianca Rossini: Estudei dança desde os quatro anos, ballet, dança moderna, improvisação, jazz, afro, afro-brasileira. Inicialmente eu dançava onde e na hora que fosse, uma necessidade impossível de conter, como a música é também: vem a inspiração e não tem como tolher. Sendo que a dança é movimento, o corpo todo está presente. Estudei e me apresentei em vários países na Europa e aqui nos Estados Unidos e também dei aula de dança afro-brasileira. Coreografia sempre foi inerente na minha carreira como dançarina. Coreografei “Luar sobre o Parador”, comerciais e music vídeos, nos quais atuei também.


Bianca Rossini: Como atriz tive a oportunidade de trabalhar com grandes estrelas do cinema e da televisão incluindo James Spader, Hector Elizondo, Richard Dreyfuss, Christian Slater, Dick Van Dyke e Dom DeLuise, e diretores renomados incluindo James Chressanthis, Paul Mazursky, Bernard Rose, Michael Karbelnikof, James Marshall. Atuar para mim nunca foi fazer o papel de outro, mas descobrir e reconhecer características similares sem julgamento e sentir intrinsecamente a essência da personagem na minha própria pele.

Poeta, Escritora

Bianca Rossini: Escrever é uma extensão de quem eu sou, quando surge a inspiração é impossível conter. Eu não tenho escolha, tenho que escrever onde for: papel, guardanapo, papel da mesa do restaurante, blackberry, iphone, computador, no carro, no avião, no trem, e por ai vai. Como escritora eu foquei no romance e na poesia. O meu mais recente livro inclui minhas poesias originais com fotografia do renomado fotógrafo inglês Michael Kenna. “Love in black and white" (Nazraeli Press, 2009).. Michael Kenna é considerado o maior fotógrafo paisagista em preto e branco. Ele é o Tom Jobim da fotografia. Nossa colaboração foi intensa, mágica, inesquecível. O que mais influenciou no meu trabalho com ele foi a beleza do seu espírito, a nossa sinergia romântica, e sua arte que simplesmente me esfuzia de inspiração. Em três dias eu já tinha escrito 40 poesias inspiradas nas suas fotos, inclusive uma foto de Copacabana que foram incluídas no livro. “Bianca você produz tão rápido que daqui a pouco eu não vou ter mais fotos para você escrever”, ele dizia brincando. Ele me deu livre arbítrio para escolher as fotos que eu quisesse de um arquivo de mais de 1.600 trabalhos; trabalhamos juntos no processo de edição e finalização, do livro que durou um ano. Na fase final de seleção eu já tinha escrito mais de 180 poemas.

"Julia-Confessions of a Brazilian Super Model" (iUniverse, Inc., 2001). (“Julia - Confissões de uma Super Modelo Brasileira”) e um romance semiautobiográfico sobre a vida de uma supermodelo brasileira, seus romances e experiências nos bastidores do mundo da moda internacional. Eu escrevi o primeiro draft de "Julia" em uma semana. Mas somente depois de vários drafts, alguns anos depois publiquei o romance.

"A Brazilian Heart: Rubies, Murdered Love and Other Poems" (iUniverse, Inc., 2006) (Um Coração Brasileiro). É um livro de poesia de amor, edição bilíngue, português e inglês, incluindo arte de duas artistas brasileiras, Carmem Gusmão e minha mãe Francisca Vanjour e de oito artistas internacionais. Notas de escritores e personalidades, inclui poeta Mano Mello, comediante Chico Anysio, cineasta Paul Mazursky, embaixadora Thereza Quintella, Professor de roteiro Syd Field, jornalista José Nêumanne Pinto, dentre outros.

Apresentadora, escritora, produtora "The Bianca Rossini" TV Talk Show

Bianca Rossini: Sempre me interessei em saber, ouvir sobre a vida, o processo humano, a trajetória pessoal de cada um. Me fascina desde pequena. Jornalismo sempre foi parte do meu interesse desde o colégio. Meus amigos observavam o quanto as pessoas ficavam à vontade comigo e se abriam facilmente e insistiam “porque você não tem o seu próprio talk show?”. O "Bianca Rossini Show" foi ao ar por 10 anos através da TV a cabo aqui e na Flórida, três vezes por semana, durante o qual entrevistei artistas, músicos, atores, diretores, personalidades brasileiras e americanas incluindo Dom Deluise, Chico Anysio, Dori Caymmi, Glória Allread e outros.

Colunista sobre as Artes em LA

Bianca Rossini: Escrevi minha própria coluna de artes em LA para a revista “Soul Brazil", "Brazil Max", e revista “Brazil Explore”, destacando personalidades brasileiras, músicos e artistas internacionais em Hollywood como Brandford Marsalis, Cesária Évora, Quincy Jones, Luciana Souza, Ivan Lins e outros.

Você já têm muitos fãs brasileiros que torcem pelo seu sucesso. Você interage com eles?

Bianca Rossini: Sim, sou muito grata pela recepção e apoio que venho recebendo, sempre que posso é um prazer interagir com os meus fãs através do meu fanpage no facebook

O meu áLBum "Kiss of Brasil" é homenagem a minha maior inspiração: a nossa terra, nosso povo, nosso jeito de amar e celebrar a vida.


Bringing Back The Very Best Of Brazilian Bossa Nova

Musa Music by Paul Constantinides

What more could be left in the career evolution of a woman who has been an international fashion model, a Hollywood film and TV actress, a TV host and the published author of three books? Well, I'll tell. Bianca Rossini is now writing and singing beautiful music, bossa nova, honoring her native Brazilian musical roots.

Paul: When did you become a singer/songwriter? Was it an easy process or did you have conflicts with the fact that you are a multi-talented person?

Bianca: I've been singing since I was a little girl. Music/writing has always been a great passion for me, but so was dancing and acting. My entire life I've been looking for a partner to write with because I thought since I didn’t know how to play an instrument, I couldn't do it alone, although I’ve been creating melodies from early on. I would sing anywhere and everywhere I could, I would improvise one song after another and never write them down or record them. I would give concerts sometimes at parties improvising melodies and lyrics from beginning to end, and of course all those songs are gone, because they happened in the moment with no written or otherwise record of it. Most people would be mesmerized; some thought that perhaps what I was singing had been written before by famous composers. Decades went by like that. But I never found "my musical partner." One day I got a call from a songwriter, Glenn Scott Lacey. He was looking for the next Astrud GiLBerto and thought I would be perfect. Fast forward, we record 3 original songs. Flora Purim did the background vocals in one of my songs, but the producer who was supposed to take the demo to the labels had to take care of family issues and the project never took off. My friend critic Don Heckman who, since the release of my book A Brazilian Heart, kept encouraging me to start writing my own lyrics. One day, a year ago, after he listened to a little song I made up on the phone during our conversation, he couldn’t believe I had just composed it on the spot and he said "Bianca you must do your own aLBum. Your lyrics deserve the best composers, you have produced your own TV shows, written several books in two languages. There is no excuse for you not to make your aLBum." Because of that phone conversation, his incentive, support and mentoring I changed the paradigm regarding my music. In the following two weeks I wrote over 10 songs with Sergio Santos and from then on I begin to write with some of the best composers in Brazil and in LA. By the end of a month and a half I had 150 songs, and by now over 200 songs… I stopped counting.

Paul: When and why did you leave Brazil?

Bianca: I left Brazil over twenty years ago. I wanted to develop all my talents in one single place and American schools/Universities seemed to offer a complete program.

I attended the University of Maryland and Georgetown University for Dance and Theater.

Paul: When did you start singing and what does it mean to you?

Bianca: I remember at age four holding a record by Dorival Caymmi and singing one of my favorite songs -- "Marina." Of course I had no idea what it meant but I loved singing it. My mother was my idol, she introduced me to all styles of music, from MPB to bolero, classical music, opera, French, Italian, Arab music and so on. Although I love all other facets of my artistic careers, music is probably the one I could not leave without. I've been improvising lyrics and melody since I was a child, it's part of my everyday life, natural, spontaneous and I cannot suppress it. The inspiration comes and I'm just an instrument to give voice to the words and melodies that keep pouring out of my heart.

Paul: What are the big influences to you in this area?

Bianca: Some of my greatest inspirations in music have been Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes, Toquinho, Pinxinguinha, Noel Rosa, Tom Jobim, Maysa, Elza Soares, Elis Regina, Nara Leao, Amalia Rodrigues, Chopin, Prokoiev, Strauss, more recently Yo Yo Ma, Gabriel Yared, Alexandre Desplat and many many others.

Paul: How does your creative process work? When you compose which comes first: music or lyrics?

Bianca: Great question: sometimes music, sometimes lyrics, often both at the same time.

Every time I step on the beach I immediately start making up new melodies. It drives me crazy, I have to find a way to record it on my phone, if I don't have my Ipod, and it doesn't stop, I keep on creating. Sometimes I'm driving, like yesterday, I came up with a tune, had to call a composer friend to write it down or record it for me while I sang the melody on the phone.

“Tarde em Copacabana” (Bianca Rossini/Patrick Lockwood)

Paul: As a singer, what do you think is more important: technique or emotion?

Bianca: Without a doubt, for me a perfect singer, with perfect pitch and phrasing without his or her soul shining through is worthless. I can't listen to that, it's empty, it inspires nothing. By contrast a voice that is vulnerable, that expresses the singer’s feelings, as imperfect as it may be technically, it's delicious and takes you on journey

Paul: What will you call your new work/CD? What can you tell us about it?

Bianca: One of my co-writers Dana Kaproff has come up with a sensual title, but it's top secret. The aLBum is original bossa nova songs that celebrate love, beauty, and romance.

Paul: How long did it take to record? Who participated?

Bianca: I begin working on the aLBum this year. Meanwhile I have had the privilege and joy to co-write and collaborate with phenomenal American and Brazilian composers, including Peter Roberts, Dana Kaproff, Steve Rawlins, Ken Hirsch, Don Heckman, Patrick Lockwood, Michael Levine, Jon Gilutin, Sergio Santos and Claudio Nucci, I have had also the participation of Grecco Buratto, Larry Koonse, Cyro Batista, Cassio Duarte and Doug MacDonald.

Paul: How were the sessions? Tense? Pleasurable?

Bianca: I'm smiling. Well there's so much to deal with -- joy, stress – that your body can break down from too much work and not enough sleep and so on. In the beginning I would catch myself in the studio looking from above and feel such happiness that my aLBum was being realized in the company of remarkable musicians. Sometimes I dance with my co-writers in the middle of a session, as way to test out the songs. There’s laughter, tears of joy, and an unbelievable camaraderie among great talents committed to create the best music.

Paul: You have a beautiful voice, well balanced, refined and emotional. Where di all this come from?

Bianca: Thank you. The journey of discovering oneself is a very interesting one and it takes time. I’m certainly now more in tune with who I am as a singer. People say my singing is intimate; I don't have any particular agenda except to stay close to my heart.

Paul: You are in several creative planets: music, literature, movies, dance and fashion. What is the real essence of Bianca Rossini?

Bianca: I give a hundred percent and more in everything I do. But I would say singing encompasses it all -- the writing, movement, performance, and most of all this deep connection that we all have with something greater than ourselves. Performing and sharing that energy with others is the ultimate gift, for a song only really becomes a song when it touches the heart of another.

Paul: When do you plan to release your CD? Is there a tour in your plans?

Bianca: I would like to release it by the end of the year. This year I have been performing for charity functions and private parties, I'm looking forward to touring and performing on bigger stages, once the CD is ready.

> Paul: In Beverly Hills, where you live, is there very much of a Brazilian musical community?

Bianca: Los Angeles has a very exciting, very diverse Brazilian artistic community that includes talented musicians as well. Just recently I had the pleasure to have the fabulous Brazilian guitarist Grecco Buratto (who plays with K.D. Lang) record the guitar e cavaquinho for one of my songs.

Paul: How is to be a Brazilian in Hollywood?

Bianca: I'm very proud of our culture, the diversity of our music, and the strength of our people. Although I have traveled and lived in different places around the world, , the innocence in my music is Brazilian, the source of its purity comes from the light on our beaches, the country side, the appreciation of nature, the beauty of simplicity, the joy and open heart of our people, our great composers, artists, landscapes. No matter where I am Brazil is a part of my soul, like a waterfall of inspiration that only grows as time goes by.


Interview with Columnist Bianca Rossini

Brazil Max

Los Angeles, California - Editor’s note: We are proud to add Bianca Rossini to our stable of columnists on BrazilMax. Born in Rio de Janeiro and now living in my native Los Angeles, Bianca is a multitalented model, actress, dancer, singer, writer and television host. She will be bringing BrazilMax readers the inside scoop about Brazilians in Hollywood and the global entertainment industry. By way of introduction to Bianca and her work, we are republishing the following interview. Her columns will begin appearing shortly. – Bill Hinchberger

Besides acting, which areas are you most involved in now?

I produce and host my weekly TV Show The Bianca Rossini Show, Write a magazine column, and I’m also finalizing the digital version of my bilingual poetry book “ A Brazilian Heart” to be read online as if you are reading a real book. It will also include audio of the poems with music composed by Sandro Zama and Hanspeter Heimman. Record producer Ramiro Mendes (Mendes Records), who launched Cesaria Evoria and many others, is producing my aLBum. It will include original songs written by me with music by Ken Hirsch, Ray Parker Jr., Don Heckman, Sandro Zama and more.

How do you promote Brazilian culture in your TV Show?

Many of my guests are Brazilians, also I do shows about our culture and cities. A recent show about Paraty was filmed by Gisele Feth and edited by Gustavo Dias, who also recently taped and edited a funny segment I hosted entitled What Americans know about the Pam Am games.

When did you start writing?

I started writing as a child. I love to write. It is very natural for me.

Who were your greatest influences as an artist?

My mother. She introduced me to everything I love and became – to a multitude of musical styles, singing, acting, film, storytelling, comedy, fashion, art, romance, travel, nature, good food and more.

How are you able to do so much in such a competitive place such as Hollywood?

I’ve been very fortunate to be able to do what I love. But it requires a lot of discipline, concentration and work. I am very grateful to have a team of amazing talent that continue to support my work: my publicist Denise Dorman, art director Fabio Garcia, Alex Vignoli, Hugo Espinosa, Andre Martins, director Brinda Bashit, film editor Gustavo Dias, Mauricio Zanotto, sound engineer Bastien Benkhelil, and more. The list continues. There are directors, photographers, musicians, artists, agents, sponsors, and my friends.

Bianca, tell us what inspired you to write A Brazilian Heart: Rubies, Murdered Love and Other Poems ?

Love, disappointment, hope… life.

How long did it take you to write the entire book?

The poems took probably a total of a few weeks, but to produce A Brazilian Heart, which in fact is two books in one, has been over a year in the making. It’s like producing and directing two films. It’s that involved. It was an amazing journey that included the collaboration of over 20 great talented people.

What makes A Brazilian Heart different from other poetry books?

In the process of making the book I had researched bookstores to see if I could find anything comparable with what I was planning to do. I couldn’t find a single book like it. A Brazilian Heart is a bilingual book, in English and Portuguese. It includes stunning original illustrations by five international artists: Carmem Gusmão, Aaron Kai, Anna Kate G, Francisca Vanjour, Maria Rabinsky and Galina Kirilova.

A Brazilian Heart has been acclaimed by famous American authors like Michael Eric Dyson, Syd Field and Brazilian authors like José Nêumanne Pinto, Mano Mello and our Embaixadora Thereza M. Quintella. How do you feel about that?

I was very honored and happy. So much so that I had to include all introductions and quotes - almost 30 in total. The quotes are poetry in themselves and to me it was such a gift to receive such a beautiful response for the poems that I wanted to keep it as part of the book and share with the readers as well.

What is the name of your first book?

My first book is a novel Julia: Confessions of a Brazilian Super Model

What can we look forward to on your L.A.-based TV talk show, The Bianca Rossini Show?

I would like to have more shows that promote Brazilian culture, tourism, music etc; I am looking forward to continuing to produce and host shows that are eclectic and informative as well as entertaining.


Diva Of The Month Interview With Bianca Rossini

United Divas by Aaron Brendan Jackson

How has your Italian-Brazilian heritage shaped your artistic endeavors and on a broader level, your career?

In a deep way. I have also lived in Europe and other cities in the U.S. and every experience adds to whom I have become. I think the innocence, romance, joy, and passion I feel is very much present in my work and it has been influenced mostly by my childhood in Brazil. Brazilian Music had a major impact in my life from early on. Since I was four years old, I have been singing Brazilian love songs. Obviously, I had no idea what they meant, but I loved them. When I write lyrics in English, I like to have the music incorporate a Brazilian feeling as well. I was brought up exposed to a diverse culture that included music, dance and art from many countries.

What made you get into acting?

I have been acting, dancing, reciting poetry, and singing since I was 3. I had studied in some of the best studios in Brazil, and in Paris. The reason I came to the U.S. was to study to become a complete artist. I attended Maryland University and Georgetown University for Dance and Theater. And studied with several great teachers/studios in D.C., NYC and L.A.

Who are your greatest influences?

My mother was my first and greatest influence. I wrote about it in my latest poetry book, A Brazilian Heart. My mother was a painter with an extraordinary talent and energy. She introduced me to the arts, music, painting, dancing, film, story telling.

What is your favorite book, and why?

I don’t think I have a favorite book. I like many. Some of my favorite writers are Isabel Allende, Gabriel Garcia Marquez, and more recently Rumi.

When is your favorite time to write?

Julia Confessions of a Brazilian Super Model was my first book, I wrote it in one week, once I started I couldn’t stop. A Brazilian Heart-Rubies Murder Love and Other Poems is a bilingual book that included original art as well. The poems were the easiest part, I wrote them at various times of the day and places, for example my poems Vision I, II, III I wrote in my gym while I was laying down after having a sauna. The production process of the book was another story, I felt like I was producing two films at once, a lot of work.

Right now I’ve been writing songs for my first aLBum that will be released this year. I have recently written songs for Carly Simon, Jimmy Webb, Ken Hirsch and have some of the top composers in Brazil writing music for my lyrics. They include Sergio Santos, Andre Mehmari, Claudio Nucci, Silvio D’Amico and Weber Lopes.

I am in a creative flow that is so intense I don’t want to stop. I write during concerts, in the car, waiting somewhere, driving to auditions, on flights, in restaurants, talking on the phone, eating, while brushing my teeth, taking a bath, brushing my hair. If I can’t write, I record myself singing the lyrics on my ipod, or on the phone. Sometimes I sleep only 2 hours. Yes, it’s that intense right now. If I hear a phrase or music that inspires me I fly…

Recently I saw a concert with Herbie Hancock and Wayne Shorter, while Herbie was doing a solo, the inspiration came and I started a song that later I finished with Don Heckman, and Sergio Santos wrote exquisite music for it. Another one I wrote was while listening to The Count Basie Orchestra. I’m now writing songs everyday, and at the moment there’s nothing that gives me greater pleasure and fulfillment.

Do you write poetry in all the languages you are fluent in?

I speak English, Portuguese, Spanish, Italian and French, but I only write in English and in Portuguese. My songwriting partner for some of my English Lyrics is Don Heckman, who in addition to being the Music Critic for the L.A. Times is a superb songwriter.

What caused you to have your own show?

I’ve always loved learning about people’s lives, feelings, and relationships. People in general feel very comfortable with me and tell me very personal things without me having to ask. All the time my friends kept saying, “You should have your own talk show,” so I created The Bianca Rossini Show, a TV talk show.

What is it like to speak for an audience that exceeds a million people?

I do my TV Talk Show as though I’m talking to just one person, one home, one living room. But it gives me great feeling to hear audience feedback from fans writing me or recognizing me out somewhere and telling me how they love the show, including many Hollywood celebrities.

Which would you rather be doing at any given moment, acting or singing?

Right now songwriting and singing.

What would you like to be doing in five years?

Songwriting, recording, performing, writing books, and having my own TV show on a major Network.


Bianca Rossini Conquista Hollywood


Bianca Rossini é o que se pode dizer de "sucesso em Hollywood". Atriz brasileira talentosa, Bianca decidiu encarar a dura disputa em Los Angeles e tem sido convidada para atuar em vários filmes. Seu trabalho começou a ser reconhecido quando Bianca viveu uma espírita cubana em "The Sentinel", programa de televisão para a Warner Brothers TV, onde além de representar, atuou, dançou e fez a coreografia. Este programa, em que Bianca teve o principal papel feminino, foi todo filmado em Vancouver, no Canadá, e obteve as melhores críticas nos Estados Unidos. Bianca trabalhou como modelo em Milão e Paris, além do Brasil (onde começou) e fez vários comerciais importantes nos Estados Unidos, como para CyberCash, Polaroid, Levi's, Budweiser, At&T, Coca-Cola, Sprint, Infinity, Sony, McDonalds, etc.

Natural do Rio de Janeiro, a atriz tem uma cena inesquecível: um tango super bem dançado com Richard Dreyfuss em "Moon Over Parador" e no comercial da Levi`s Mango-Tango. Alguns de seus outros trabalhos incluem personagens principais nos seriados Americanos: "Diagnoses Murder," "Martial Law,” “Chicago Hope,” “Matlock" e os filmes "Bad Influence" and "Mobsters."

Bianca contracenou com famosos atores americanos, entre eles Richard Dreyfuss, Dick Van Dyke, Arsenio Hall, Hector Elizano, Richard Romanus, James Spader, Christian Slater, sendo sempre citada pela crítica norte-americana como uma atriz versátil, honesta e de força. Ela estudou na Universidade de Maryland e Georgetown, além de ter feito cursos teatrais e de dança em New York, Paris e Los Angeles com professores renomados na América.

Mas o que mais tem chamado atenção do público americano é o novo "The Bianca Rossini Show", produzido e apresentado pela atriz. O show é uma meia-hora de entrevistas baseadas nos títulos de arte, estilos de vida, moda, comida, saúde e outras surpresas vindas de seus convidados. Já estiveram no "The Bianca Rossini Show" personalidades como Hiro Yamagata (artista e pintor), Paul Mazursky (produtor, diretor e escritor), Robert Zuckerman (célebre fotógrafo), Dori Caymmi (guitarrista brasileiro, cantor e compositor), Barry Garron (crítico do "The Hollywood Reporter"), Monet Mansano (nominado para o Oscar e Emmy de maquiagem artística), Art Wiederman (CPA/Financial Consultant), Dr. Nikolas Chugay (plastic surgeon).

LandBrazil Entrevista Bianca Rossini

LANDBRAZIL - Você sempre quis atuar?

Bianca Rossini - Sim. Desde quando eu tinha três anos me envolvia em algum tipo de brincadeira que tivesse atuação, sendo em casa, na escola, na rua com meu irmão e outras crianças. Algumas vezes, quando eu estava com 9 anos, eu ia com meus pais para cidades pequenas de férias e organizava festival de música, dança e teatro com os meus primos e outras criancas. E para manter o entusiasmo do grupo eu comprava sorvete feito em casa no final do show para os participantes.

LB - Quem foi a sua maior influência no seu desenvolvimento como atriz?

BR -Minha mãe. Ela tinha inspiração e gostava da arte. Desde bem pequenininha ela me levou para aulas de atuações, música e dança. Ela estava sempre imitanto qualquer um da família, convidados ou outras vítimas. Eu sempre rolava no chão chorando de dar risada com as histórias que ela contava, mesmo que várias vezes repetidas. Ela me levou para filmes e dança. Uma vez eu ouvi Sophia Loren falando sobre sua mãe numa entrevista para Barbara Walters e ela disse: "Minha mãe era a real atriz". E eu concordo.

LB - Como você foi convidada para atuar no "The Sentinel"?

BR -Na noite antes do meu teste, enquanto eu tentava ler o dialogo do meu personagem, a minha voz literalmente desapareceu. Eu tinha apenas pego uma terrível gripe. Para meu espanto, eu não fiquei nervosa com isto. Eu disse a mim mesma que não tinha nada com que me preocupar e fui para cama. No outro dia eu fui para o teste tentando ler as minhas falas enquanto dirigia. Depois da minha entrevista os diretores pediram que eu esperasse para fazer novamente para os produtores. Enquanto eu estava esperando eu vi outras cinco atrizes chegando para o mesmo teste. Todas estavam usando uma roupa preta sexy. Fora do normal, eu estava usando um blaser clara, eu pensei: "Eu deveria ter vindo de preto". Durante a entrevista eu disse para os produtores que em três dias a minha voz estaria perfeita. E um deles falou: "Você está perfeita Bianca". Dias depois eu estava em Vancouver para fazer o papel.

LB - O que você achou do seu papel?

BR -Eu gostei muito. Eu não fiz só a interpretação do papel, mas dancei e cantei. Papéis para mulheres, especialmente as latinas, dificilmente são escritos com substância. E o meu era excelente. Shows em TV são gravados muito rapidamente. Mas eu e o diretor James Marshall estávamos empolgados com o meu personagem daí ele criava tempo para podermos discutir idéias de como criar a melhor cena possível.

LB - Como surgiu a idéia de um show de entrevistas?

BR -Praticamente quase todas as pessoas que eu conhecia e que estavam no meio me incentivavam: "Bianca você tem que ter o seu próprio "Talk Show". Desde pequena sempre gostei de ouvir as pessoas contarem as suas histórias. De uma forma geral elas se sentem

confortáveis comigo, e na maioria das vezes, revelam coisas bem íntimas. Para mim é natural. Por exemplo, durante as minhas viagens gosto de conversar com as pessoas, saber das origens, as mudanças e os destinos de cada um. Esta complexidade faz a vida de cada um única. Todo mundo tem uma história para contar.

LB - Quando você começou a produzir e apresentar "The Bianca Rossini Show"?

BR -No início deste ano.

LB - Eu fiquei impressionada com o seu charme, humor e confiança nas entrevistas, pois parece que você já vem fazendo isto há muito tempo. O seu show não tem edição, ou seja, a primeira gravação é a que vale. Como foi a adaptação à este formato?

BR -Eu atuo desde pequena e sempre me senti confortável seja no palco ou em frente à câmera. Então eu achei que iria ser uma experiência muito fácil. Porém, no meu primeiro show ao vivo, eu me lembro que eu senti como se eu estivesse tendo uma experiência fora do meu corpo, tal era a ansiedade, mas felizmente, ningém notou. Este tipo de formato realmente é bem exigente mas o mais importante para mim é ter uma boa equipe técnica pois daí eu me sinto mais a vontade para fazer o meu trabalho.

LB - Quais são os seus planos com o show?

BR -Eu gostaria obviamente de ter o meu próprio show em um canal principal de televisão americana e também criar um programa em português, produzido e gravado aqui para ser rodado no Brasil.

LB - Você prefere trabalhar com filme ou televisão?

BR -Eu prefiro trabalhar. Ponto.

LB - Você acredita em sorte?

BR -Eu acredito em destino. Eu sempre pensava que o destino era conseqüência unicamente do esforço próprio. Mas hoje eu entendo que você só pode fazer até certo ponto. Chega uma hora que você tem que deixar a vida fluir naturalmente.

LB - O que você mais sente falta do Brasil?

BR -A espontaneidade, calor humano e aquele jeitinho brasileiro musical de celebrar a vida.


A Brasileira que conquistou Hollywood

Brazil Hollywood

Bianca Rossini, atriz brasileira e co-estrela de "Brainiacs", novo filme de Dom Deluise, que faz sucesso em Los Angeles com o seu talk show semanal "The Bianca Rossini Show", é entrevistada pelo humorista, roteirista e teatrólogo Paulo Duarte.

Em seu programa de TV, já dançou tango com Richard Dreyfuss, foi paciente do Dick Van Dyke, tentou vender sua linha de moda com peles de animais extintos para o Arsenio Hall e também foi seduzida por espiritos que a levaram para um mundo de danças afro-cubanas no The Sentinel, seriado da TV americana. Em Brainiacs, seu último filme, ela faz o papel de uma mulher de negócios russa, sócia do Dom Deluise.

Paulo Duarte - Bianca, como foi atuar com Dom Deluise?

BIANCA - Eu sempre gostei dos seus filmes e dos seus shows de culinária, e atuar com ele e vê-lo atuando foi bem divertido. O Dom é uma pessoa muito gentil, não importa com quem. Qualquer pessoa que lhe pedisse um autografo ou quisesse tirar uma foto com ele, Deluise não hesitava em atendê-los com a maior boa vontade.

Quantas atrizes fizeram teste para o papel?

- Perguntei ao diretor e ele disse que foram testadas cerca de 60 atrizes.

Como você estava se sentindo naquele dia?

- Bastante tranqüila. Estava aguardando o meu teste na área de recepção quando outras atrizes começaram a chegar. Elas eram de todos os tipos e tamanhos. E é claro, todas estávamos checando umas às outras.

Como foi o teste?

- Eu não tinha nenhuma idéia do que eles (diretor, produtor, etc) estavam querendo. Mas devido ao filme ser uma comédia, eu estava me sentindo bastante à vontade. Tanto que até me diverti com o diretor. Ele me perguntou:

“Bianca, de onde você é ?”

Atores, em geral, não gostam dessa pergunta, pois ninguém quer ser categorizado. Então eu respondi:

“Beverly Hills”, que é aonde eu moro.

Eles riram, mas o diretor insistiu:

“E antes?”

Eu respondi:

“West Hollywood.”

Sem desistir, ele continuou.

“E antes?” ”New York.”

“E antes?”


Finalmente o diretor parou e eu perguntei porque ele ia desistir tão rápido? Ele respondeu que, na verdade, eles não sabiam direito o que estavam procurando. Eu o tranqüilizei, dizendo que iriamos descobrir isso juntos. Ele então continuou:

“Eu vejo que você faz vários sotaques. Que tal uma sueca? (o que não estava incluído na minha relação).

“Eu não faço sotaque de loira. Aliás, tem umas na recepção.” Eles riram.

“Ok, então faz com o sotaque Italiano.”

Eu fiz, eles riram mais.

“Ok, agora faz com sotaque Russo.”

Eles riram ainda mais.

Eu improvisei um pouco com o ator que estava lendo comigo, o diretor pediu que eu puxasse o meu cabelo para trás. No final, eu agradeci e, quando estava saindo, disse que eu me diverti e que ele era muito bom. O diretor agradeceu e eu falei que estava me referindo ao ator, e saí dali rindo bastante. Eu não soube nada por duas semanas e pensei: “eu devia ter dito que o diretor era bom, não o ator.” Mas então o telefone tocou e eu fui contratada.

Você gostaria de fazer mais comédias?

- Com certeza. Rir e fazer as pessoas rirem me dá um prazer enorme e é parte de como eu sou no meu dia a dia. Humor é algo delicado. Você só é engraçado na proporção de quem o está ouvindo também seja engraçado. Ou seja, se a pessoa não o entende, esqueça, porque não vai funcionar. Em geral, na vida real tem muita gente que se leva muito a serio. Para mim, as pessoas mais deliciosas são as que riem delas mesmas. Eu gosto de achar humor em tudo, onde inclui fazer graça de mim mesma.

Você já teve sucesso na sua carreira de atriz. O que a inspirou para ter o seu próprio programa de entrevistas?

- Desde pequena eu sempre adorei ouvir as pessoas contarem suas historias. No colégio, eu pertencia ao departamento de Jornalismo, onde eu tinha uma coluna de poesias e também fazia entrevistas. Em geral, as pessoas se sentem confortáveis comigo para revelarem coisas muito pessoais. A complexidade da vida faz da existência de cada pessoa um processo único. Todo mundo tem uma boa história para contar. Conhecidos meus notaram como as pessoas à minha volta se sentiam à vontade para falar, e me diziam sempre: “Bianca, você tem que ter o seu próprio programa.”

Quando você começou a produzir e apresentar o “The Bianca Rossini Show”?

- Um ano atrás. O meu show vai ao ar duas vezes por semana.

Você venceu como atriz numa terra estrangeira. Como vê essa parte da sua carreira no futuro?

- Eu adoro atuar, e obviamente seria fantástico fazer mais trabalhos que tenham realmente algo a dizer, que tenham substância. Como ator você está sempre a mercê da decisão de outros. Ter o meu próprio programa de entrevistas me deu a oportunidade única de realizar vários aspectos criativos: como apresentar, produzir, escrever, cenografar, dirigir, etc. Pela primeira vez eu sinto que estou utilizando basicamente todas as minhas habilidades, como também aprendendo muito com tudo isso, é claro. Como atriz, você está constantemente procurando trabalho. Com o meu próprio programa eu posso praticar todo o meu potencial e, quem sabe, até descobrir capacidades novas.

Que tipo de respostas do público você tem recebido?

- O resultado tem sido excelente. Eu recebo muitos e-mails tanto de homens quanto de mulheres. As pessoas estão assistindo e, segundo me falam, estão gostando muito do show.

Como você encontra os seus convidados?

- Através de pessoas que conheço, pessoas com quem já trabalhei, publicistas e as vezes os próprios convidados me procuram.

Qual a importância para alguém que está tentando conseguir visibilidade, aparecer num talk show como o seu?

- Muito grande. Quando você apresenta um espetáculo, ou faz outro tipo de trabalho que quer que o publico conheça, é fundamental que você seja entrevistado na TV. Outro exemplo é no próprio meio artístico. Alguns anos atrás, eu tentei me apresentar no circuito de programas de entrevistas, para promover a minha participação num show de TV em episódios, no qual eu fazia o papel principal. A primeira coisa que me perguntaram foi “Você já foi entrevistada no ar? Você tem uma cópia da entrevista?” Eles geralmente não lhe convidam, a não ser que tenham a certeza de que você pode interagir com o entrevistador. Não importa o quanto você seja bom como ator, se você não for interessante como convidado, as chances ficam limitadas ou nulas. Para muita gente, ser convidado para ir num programa de entrevistas independente não só lhe dá uma tremenda visibilidade, como serve também para exercitar-lhe a desenvoltura como convidado, e talvez essa seja a força necessária para você subir mais um degrau na sua carreira.

Que tipo de assuntos você costuma cobrir?

- Agora os shows estão bem ecléticos. Eu tenho, por exemplo, dado muito importância a temas ligados às artes, estilos de vida, moda, comidas, saúde, e outras novidades.

Você gosta de gravar o seu show em estúdio ou prefere locações?

- Eu gravo sempre em estúdio. Adoraria fazer também locações, mas isso requer um orçamento maior.

Como é produzir o seu próprio show?

- A última vez que contei eu fazia o trabalho de 10 pessoas (risos). Isso exige uma energia e disciplina constantes, mas é também muito prazeroso. A razão de ter aprendido muito em tão pouco tempo deve-se, em parte, por essa minha vontade e determinação incríveis de produzir sempre o melhor show possível.

Que planos você tem para o seu show daqui para frente?

- Eu gostaria de levá-lo para uma das televisões abertas ou canais a cabo que transmitem nacionalmente aqui nos Estados Unidos e também, num futuro próximo, distribuí-lo para o mercado brasileiro, latino e Europeu.

Para você, que tem um veia cômica muito forte, qual a importância do humor no processo da entrevista?

- Eu, como já disse, adoro humor e as pessoas bem humoradas, mas o convidado tem que estar disposto a entrar nesse clima. Se ele tem uma atitude descontraída e divertida, ou resolve contar alguma coisa engraçada, ai então eu viajo com isso, interajo com ele e a entrevista sempre fica melhor de ser assistida.

Para você, que fala 5 idiomas, nasceu no Brasil, já viajou muito e é uma pessoa talentosa desde a infância, ou seja, que tem muito a oferecer como apresentadora, qual seria, na sua opinião, o principal elemento para alguém ser um bom apresentador?

- Eu acho que o meu background e experiências em diferentes áreas me ajudam muito a me conectar com as pessoas, mas nada disso terá importância se o entrevistador não estiver interessado no convidado. No meu caso, eu gosto de ir sempre ao cerne da questão, procurando saber o que a pessoa sinceramente sente.

Qual e o seu passatempo favorito?

- Eu adoro ver gente. Infelizmente, Los Angeles não tem esses tipos de lugares, como em NY, Paris, ou Rio, cheio de pessoas e vida 24 horas por dia.

O que você faz para ficar em forma?

- Eu adoro dançar. Recentemente descobri Pilates, que é um método excelente de exercícios para o corpo. Mas eu também gosto muito de nadar e caminhar, principalmente na praia..

Em que aspecto Los Angeles é especial para você?

- Pelas mesmas razões que me fazem achar os Estados Unidos, como um todo, um pais incrível e extraordinário. As oportunidades que você tem aqui seriam quase impossíveis em outro lugar. O profissionalismo, o espaço, a maneira imediata como tudo é feito, a possibilidade de você concretizar o seu sonho, a abundância e muitas coisas mais. Em Los Angeles a vida é provavelmente bem mais confortável que em outras partes, não só porque o clima aqui é muito agradável, como você também pode fazer muito durante um curto espaço de tempo. Los Angeles é uma cidade para se trabalhar.

Você é uma das poucas pessoas que eu conheço nessa profissão que não fica dando desculpas, se explicando por isso ou aquilo não estar acontecendo. O que você tem a dizer sobre esse seu jeito de ser?

- Trabalhar em show business não é fácil, sempre foi uma carreira dificílima, mas ninguém está me forçando a ficar nessa industria. Eu me sinto privilegiada e muito feliz de ter uma vida artística.

Você já teve muitos convidados interessantes e famosos no seu show, como o Paul Mazursky, Dom Deluise e Dori Caymmi. Quem que você ainda não entrevistou mas que adoraria entrevistar?

- É claro que nesse mundo fantástico do show business tem muita gente famosa que eu gostaria de ter no meu programa. Mas o fato é que eu acredito muito que todos nós temos uma boa história para contar, seja famoso ou não.


Uma Atriz Brasileira "Made In Usa"

Quark por Aldo Novak

Ela foi a paranormal cubana "Corina Santiago", no seriado americano "The Sentinel". Na verdade a palavra "paranormal" não é correta. Nem mesmo espírita. Ela foi mãe de santo mesmo! Incorporando Oxum, ela tinha poderes como telecinesia e, claro, tudo aquilo que se espera de um personagem bem estruturado na televisão, em um seriado policial sério.

Essa atriz é a nossa entrevistada desta edição. Mas, antes, vamos dar uma olhada em alguns de seus trabalhos. É bom você se sentar, porque a lista é meio longa e inclui televisão, cinema e teatro. Vejamos: ligo a televisão e lá está ela na campanha da Levi's, dançando um tango.

Muda a cena. Lá está Bianca Rossini dançando mais um tango, desta vez com Richard Dreyfuss no longa metragem Luar Sobre Parador (Moon Over Parador), contracenando com ele, Sônia Braga e Raul Júlia; trinta segundos depois ela já está fazendo o papel da mãe de um garoto internado no hospital da série Chicago Hope (exibido no Brasil, até o ano passado pela Record). Mas não fica só nisso. Rapidamente vemos a atriz carioca em "Diagonosis Murder" (CBS), "Matlock" (Viacom/NBC), "Corte Marcial" (Martial Law), "One Life to Live" (ABC), "Search For Tomorrow" (NBC), "The Marshall Chronicles" (ABC-TV), "The Bold and The Beautiful" (CBS) e "Dark Justice" (CBS). Isso sem falar do destaque em "D.C.O.L" (Playboy TV).

Não acabou. Ela não pára de trabalhar. Lá está Bianca novamente em "Mobsters". Pouco depois ela está contracenando com Christian Slater. Além disso ela esbanja competência em "Brainiacs" (Disney), "Blue Fiction", "Ride Me" e um sem número de outros trabalhos na televisão, cinema e teatro americanos. Eu disse teatro?

Não posso esquecer que ela já foi Juliet (de Romeu and Juliet) em Washington e deixou marcas muito especiais em seus papéis como "Nova" no belíssimo musical infantil "The Point" (Los Angeles), "Lisa" em "The Girl On The Via Flamina" (Washington), além do papel principal de "Colombe" em Mademoiselle Colombe.

E essa atriz talentosa, linda e multimídia - se é que essa palavra se aplica - gostou de sua experiência como uma mulher com poderes paranormais em "The Sentinel", e diz que gostaria de ter outros papeis como aquele.

Quark - Bianca, vamos começar falando do seu papel em 'The Sentinel'. O que você achou de participar em um seriado americano no qual você fazia o papel de uma "mãe de santo" que incorporava "Oxum"?

Bianca - O meu personagem era de uma americana nascida em Cuba, que trabalhava para o prefeito da cidade como "community liason", um tipo de representante da comunidade junto à prefeitura. Essa mesma mulher, que tinha um cargo importante no governo local, também incorporava o espirito de "Oxum" na vida pessoal.

Durante as filmagens eu também dei aulas de dança afro-brasileira, com acompanhamento de percussão ao vivo. Claro que eu aproveitava e incluía diferentes danças dos orixás. Dai que foi muito fácil para eu interpretar o personagem e acrescentar uma dimensão pessoal e diversificada.

Quark - Como você foi contratada para o papel?

Bianca - Ah, isso é curioso. Sabe, na noite anterior ao meu teste, enquanto eu tentava ler os diálogos do meu personagem, a minha voz literalmente desapareceu. Dá pra acreditar? Eu tinha acabado de pegar uma terrível gripe.

Para meu espanto, eu não fiquei nervosa com isto. Eu disse à mim mesma que não tinha nada com que me preocupar e fui dormir. No outro dia eu fui para o teste tentando ler as minhas falas, no script, enquanto dirigia.

Depois da minha entrevista os diretores pediram que eu esperasse para fazer novamente o teste para os produtores. Bom enquanto eu estava esperando para conversar com eles, vi outras cinco atrizes chegando para o mesmo teste. Todas estavam usando uma roupa preta e bem sexy. Eu, ao contrário, estava vestindo uma roupa clara. Aí eu pensei: "Eu devia ter vindo de preto "

Com minha voz de 'gripada' tive que explicar aos produtores, durante a entrevista, que em três dias a minha voz estaria perfeita. Foi aí que um deles falou: "Você está perfeita Bianca". Dias depois eu estava em Vancouver para fazer o papel.

Quark - E o que foi que mais atraiu você para esse papel?

Bianca - Acho que foi a versatilidade, inteligência, sensibilidade do meu personagem e o fato de que além de atuar o papel principal feminino, eu coreografei, dancei, cantei e até compus uma melodia para o filme.

Quark - Você alguma vez recebeu um espírito na vida real?

Bianca - Não, nunca. Uma vez me lembro de uma ritual numa floresta no Rio (Rio de Janeiro). Era o ritual de um grupo espírita que fazia caridade para crianças e eles estavam fazendo oferendas paras os espíritos. Minha mãe me convidou e, como sempre, eu adorei a oportunidade. Sabe, esse tipo de ritual me fascina por causa do batuque, das danças, das canções, do vestuário, enfim de todos os componentes que eu acho não só espirituais, mas também extremamente teatrais.

Quark - Você alguma vez viu um americano incorporar espírito?

Bianca - Interessante você perguntar. Eu tenho uma amiga, atriz, que diz receber vários espíritos e ela me convidou para uma reunião espiritual que ela tem todas as semanas na casa dela. Eu fui. Éramos uns 5 a 7 adultos incluindo uma menina de 7 anos, aluna dela de teatro. Todos eram americanos, atores, escritor, diretor, cantor, eu era a única brasileira.

Enfim nos sentamos ao redor da mesa as luzes apagadas, incenso e algumas velas no centro da mesa, e todo mundo concentrado. Cada um fazendo os seus pedidos e preces e eu observava, respeitando o ritual mas questionando e observando. Como o espírito que a minha amiga incorporara tinha senso de humor, eu falei umas brincadeiras e estávamos rindo. De repente eu senti alguém entrar na sala, atras de mim. Foi quando eu vi o meu pai, que já havia falecido há mais de dez anos.

Foi algo tão forte e inesperado Apesar do choque eu vi uma oportunidade para testar a veracidade do espirito da minha amiga. Então eu perguntei a ela se ela tinha notado alguma coisa, ela respondeu "O seu pai esta aqui" . Eu perguntei: "onde?". "Do seu lado esquerdo, com a mão direita dele sobre o seu ombro esquerdo". Ela até confirmou como ele estava vestido. Aí ela me deu a mensagem que ele tinha para mim. Foi uma experiência muito forte. A descrição dela foi exata.

Quark - Nossa então você acredita que seja mesmo possível canalizar espíritos

Bianca - Olha, eu mesma nunca recebi um -- que eu saiba. Mas definitivamente já tive visões e uma intuição muito arguta. Eu acredito que existe um mundo espiritual que a maioria das pessoas não tem idéia de como conectar.

Quark - Você gosta de ficção científica?

Bianca - Sim, claro! Eu acho um veículo muito positivo para estimular a imaginação e explorar uma variedade de temas como o futuro, outras formas de vida, ciência, tecnologia etc.

Quark - No Brasil os seriados Jornada nas Estrelas (Star Trek) e Arquivo X (The X-Files) fazem sucesso com milhões de pessoas. O que você acha deles?

Bianca - Eu acho os dois seriados ótimos. E únicos, pois você tem uma licencia maior para explorar personagens e atuações que fogem um pouco do normal da televisão.

Quark - Você crê em destino? Em magia?

Bianca - Olha, Aldo, eu acredito que cada um de nós tem o próprio destino e não vivemos num vácuo. A vida de cada um de nós afeta a vida dos outros, direta ou indiretamente.

Quark - Grande parte dos nossos leitores são do sexo masculino. Você participou de clips do Canal Playboy, nos Estados Unidos, e o jornalista Allyson Adams afirmou ter ficado impressionado com sua alquimia entre "paixão e vulnerabilidade". Como você define essa "alquimia"?

Bianca - Uma certa transparência, uma espontaneidade em expressar como eu me sinto sem julgamentos e estar totalmente presente no momento. E também em me sentir aberta à energia da outra pessoa. Sabe, se a energia dela não for suficiente numa cena, então eu tenho que usar a minha própria imaginação.

Quark - Como é sua vida hoje, nos Estados Unidos?

Bianca - Nossa, o meu tempo e dividido entre a produção e apresentação do meu Show, testes para filmes, shows de TV e comerciais. No momento eu estou terminando de editar um romance (em inglês) que eu escrevi já há tempo e que espero publicar no próximo ano. Estou também ensaiando para o meu show de bossa nova e MPB. Aliás, estou aguardando isso ansiosamente. Também divido meu tempo entre a dança e a ginástica. Vou ao cinema, teatro, shows, janto fora, me encontro com amigos

Para relaxar totalmente, a minha escolha favorita e ir passar uma tarde na praia, caminhado, ou simplesmente deitada, curtindo o visual do céu, das ondas, da mudança de luz. Isso me faz um bem incrível.

Quark - Fale um pouco sobre o seu talk-show. Como surgiu?

Bianca - Praticamente quase todas as pessoas que eu conhecia e que estavam no meio me incentivavam: "Bianca você tem que ter o seu próprio 'Talk Show'". Desde pequena sempre gostei de ouvir as pessoas contarem as suas histórias. De uma forma geral elas se sentem confortáveis comigo e às vezes revelam coisas bem íntimas. Para mim é natural e eu adoro.

Quark - Como você consegue fazer tanta coisa ao mesmo tempo. Onde você arranja tempo para tudo isso? Para estudar tanto, trabalhar tanto. Você tem um clone por aí?

Bianca - Bem que gostaria. Não e uma ma idéia, hum você conhece o laboratório em que eu poderia fazer a encomenda? (rindo). Mas, na verdade só gostaria do clone se fosse um modelo mais aperfeiçoado (mais risos).

Quark - Como é o seu personagem no novo filme da Disney, Brainiacs?

Bianca - O filme dirigido por Blair Treu. É a respeito de dois adolescentes que pretendem assumir a fábrica de brinquedos do pai para forçá-lo a passar mais tempo com eles. O meu personagem é de uma russa que, junto com o sócio, (papel do ótimo Dom Deluise), planeja também assumir o controle da fábrica. E super engraçado.